Orar diariamente é costume para um católico de boa fé, e completar o rosário significa o mesmo que nos ajoelharmos diante de Maria e pedir que interceda por nós diante de Deus.

Além disso, o rosário católico possui outro significado, que é o de relembrar os passos de Jesus durante sua vida, os chamados mistérios do terço.




Abaixo estão os mistérios do terço e seus respectivos dias.


Mistérios Gozosos (segunda-feira e sábado)
  •  A encarnação do Filho de Deus.
  •  A visitação de Nossa Senhora a Santa Isabel.
  •  O nascimento do Filho de Deus.
  •  A Apresentação do Senhor Jesus no templo.
  •  A Perda do Menino Jesus e o encontro no templo.

Mistérios Dolorosos (terça-feira e sexta-feira)
  •  A Oração de Nosso Senhor no Horto da Oliveiras.
  •  A Flagelação do Senhor.
  •  A Coroação de espinhos.
  •  O Caminho do Calvário carregando a Cruz.
  •  A Crucificação e Morte de Nosso Senhor.

Mistérios Gloriosos (quarta-feira e domingo)
  •  A Ressurreição do Senhor.
  •  A Ascensão do Senhor.
  •  A Vinda do Espírito Santo.
  •  A Assunção de Nossa Senhora aos Céus.
  •  A Coroação da Santíssima Virgem.

Mistérios Luminosos (quinta-feira)
  •  O Batismo no Jordão.
  •  A auto-revelação nas bodas de Caná.
  •  O anúncio do Reino de Deus convidando à conversão.
  •  A Transfiguração.
  •  A Instituição da Eucaristia, expressão sacramental do mistério pascal

“O Rosário coloca-se ao serviço do ideal de que, pela fé, Jesus habita os corações, oferecendo o ‘segredo’ para abrir-se mais facilmente a um conhecimento profundo e empenhado de Cristo. Digamos que é o caminho de Maria, o caminho do exemplo da Virgem de Nazaré, mulher de fé, silêncio e escuta. É, ao mesmo tempo, o caminho de uma devoção mariana animada pela certeza da relação indivisível que liga Cristo a Sua Mãe Santíssima: os mistérios de Cristo são também, de certo modo, os mistérios da Mãe, mesmo quando não está diretamente envolvida, pelo fato de ela viver d’Ele e para Ele. Na Ave-Maria, apropriando-nos das palavras do Arcanjo Gabriel e de Santa Isabel, sentimo-nos levados a procurar sempre de novo, em Maria, nos seus braços e no seu coração, o fruto bendito do seu ventre (cf. Lc 1,42)” – Trecho da Carta Apostólica Rosarium Virginis Mariae, do Sumo Pontífice São João Paulo II.